Já conversou com a sua ansiedade?

Esta pergunta pode parecer ridícula para algumas pessoas, porém tão óbvia para aquelas que já estão em um processo de autoconhecimento há mais tempo. Mas existe uma forma de conversar com a ansiedade? Isso é possível? Tem algum efeito positivo? A gente responde: sim, existe como conversar com a sua ansiedade e tirar muito proveito desse “diálogo”.

Primeiramente, você deve lembrar que a ansiedade é algo natural e extremamente necessário para o ser humano, pois é o que faz com que seu corpo esteja preparado para as situações da vida. No mundo animal, seria aquilo que chamamos de “fugir ou lutar”, “bater ou correr”, ou seja, os animais têm apenas duas opções frente às situações em que se deparam. Isso também acontece conosco, seres humanos, afinal somos animais e perante qualquer situação da vida, temos (ou deveríamos ter) essas mesmas duas alternativas: fugir ou lutar.

E é aí que entra a ansiedade, pois em níveis considerados ideais, ela nos proporciona força e raciocínio para a tomada de decisão mais correta para determinado momento e situação. O problema começa quando o nível de ansiedade no nosso organismo passa do ideal, quando não conseguimos mais raciocinar qual a melhor forma de lidar com a situação e acabamos ficando “paralisados”, de mãos atadas, completamente entregues à ansiedade, a qual deixou de ser algo necessário e passa a ser algo prejudicial. 

E então voltamos à pergunta inicial: você já conversou ou tem conversado com a sua ansiedade? Quando ela começa a te atingir de uma maneira desconfortável, você já se perguntou o que pode fazer ou o que está fazendo para se ajudar?

Muitas pessoas não conversam com suas próprias emoções, não percebem o que se passa no seu corpo e na sua cabeça, e então acabam “jogando pra debaixo do tapete” os problemas, ignorando completamente e fingindo que eles ou as emoções não existem, ou acabam descontando em outras coisas. As duas alternativas que antes tínhamos (fugir ou lutar), acabam virando quatro alternativas, sendo que duas delas (ignorar ou descontar) não resolvem em nada o problema e podem, inclusive, fazer com que ele se torne muito maior do que de fato é.

Você, com certeza, já tomou as quatro decisões em alguma situação da sua vida: você já escolheu fugir de um problema/situação, pois analisou que seria a melhor alternativa; você já enfrentou, independente se teve sucesso no final ou não; você já ignorou completamente; e você já descontou em algo esperando que a situação ou emoção desaparecesse magicamente.

Vamos focar nessa última opção: descontar em algo ou alguém. Cada pessoa tem sua maneira de lidar com as emoções, mais especificamente, a ansiedade. Algumas (muitas delas) descontam na comida, outras descontam em alguém e acabam sendo grosseiras e agressivas, outras descontam em exercícios ou atividades físicas, e assim por diante. Tenho certeza de que você se identificou com alguma dessas formas, ou todas elas. Claro que existem diversas formas de descontar sua emoção ou ansiedade, mas o fato é que você precisa aprender a conversar e identificar essa sensação desconfortável e então descobrir a melhor solução para acabar com ela e não simplesmente esperar que ela suma ou fingir que ela não existe.

Vale ressaltar que não existe uma maneira correta e ideal para lidar, cada pessoa tem seu jeito específico e que funciona para si. O que queremos é que você comece a praticar esse diálogo consigo, com suas emoções e, principalmente, com sua ansiedade, pois se não houver compreensão do porquê ela está em um nível tão alto, sua vida será controlada por ela e você ficará totalmente paralisado e à mercê dessa emoção.

E então, já conversou com a sua ansiedade hoje?



Palavras-chave: ansiedade; lutar; fugir; ignorar; descontar.

Leia Tambem

Escrito por Lisielen Miranda Goulart e Luana Miranda Goulart (Unique)

Publicado em 2022-04-20

Tags

Sugerimos que você também leia estes