Medo x ansiedade na Odontologia

Primeiramente precisamos identificar essas duas situações, o medo e a ansiedade. O medo geralmente se refere a um objeto ou a uma situação muito definida. Temos medo do perigo imediato. Já a ansiedade se caracteriza por uma sensação desagradável de tensão e apreensão. Fazendo antecipar um perigo futuro, que pode ou não acontecer. Pode-se dizer que é uma resposta emocional caracterizada por tensão, apreensão, nervosismo e preocupação. 

Posto isso, medo todos nós temos, e é inerente ao ser humano, mas a sua etiologia é multifatorial. Na odontológica, certas reações emocionais dos pacientes podem envolver mudanças comportamentais e alterações no status físico e cognitivo.

Assim, quanto maior for a ansiedade do paciente, maior será a sua sensibilidade à dor. Quanto mais ansioso o paciente, maior probabilidade de reações de esquiva ao tratamento.

O momento operatório odontológico, considerado o maior gerador de ansiedade, é a anestesia. Sabe-se que os procedimentos odontológicos causam em inúmeras pessoas uma certa ansiedade. Não é de hoje que esta ansiedade odontológica e o medo odontológico acontecem. 

Apesar de pesquisas estudarem as causas e a avaliação do medo odontológico, o reconhecimento de pacientes ansiosos não é fácil, pois cada um tem uma maneira de demonstrar os seus sentimentos. (KANEGANE et al., 2006)

Tal medo do dentista iniciou-se na Odontologia Primitiva/Rudimentar. Com a evolução científica em várias áreas do conhecimento, inclusive na Odontologia, muitos procedimentos ficaram mais simples, os materiais cada vez mais modernos, e os instrumentais cada vez mais delicados e precisos.

Mesmo assim, temos que considerar esses sentimentos negativos, identificá-los, e de forma empática tentar deixar essa experiência o menos traumática possível. É imprescindível que o profissional saiba identificar o medo normal e o medo patológico.

Vários procedimentos podem desencadear maior aflição ao paciente, consequentemente reações do mesmo. Os procedimentos mais comuns são:

Esses procedimentos podem gerar um aumento da frequência cardíaca e da pressão sistólica.

Precisamos levar em conta também as experiências anteriores negativas que esse sujeito teve, assim como relatos dos familiares, amigos sobre o tratamento odontológico traumático que tiveram, o que pode influenciar o indivíduo no seu tratamento odontológico.

Devido à ansiedade ao tratamento odontológico, muitas vezes os pacientes evitam consultar o cirurgião-dentista até o momento em que sentem dor ou desconforto. Assim, a ansiedade ou fobia podem levar não somente a uma saúde bucal deficiente e perda dos dentes, mas também ao sentimento de vergonha e inferioridade. (PETRY et al., 2006)

No intuito de minimizar as condições negativas deste paciente relacionadas ao tratamento odontológico, atualmente contamos com a ajuda de medicamentos, que vão diminuir este desconforto e assim agilizar o atendimento odontológico pelo profissional.

Outro método utilizado é a Inalação do Óxido Nitroso (Gás do riso). Um grande aliado principalmente no atendimento infantil e em pacientes especiais.

Graças à variedade dos meios de comunicação que temos atualmente, devemos divulgar ao máximo sobre a prevenção odontológica, para assim diminuir o estresse que causa o tratamento odontológico tanto em crianças como em adultos, e mostrar como a odontologia se modernizou tanto no que diz respeito a técnicas, equipamentos, materiais e instrumentais, como no atendimento humanizado, prestando atenção aos sentimentos do paciente para que vença o desafio da odontofobia e ansiedade odontológica, pensando sempre no conforto e na melhora do paciente. 

 

Palavras chave : Medo – Ansiedade – Odontofobia – Dentista

Leia Tambem

Escrito por Cintia Baek

Publicado em 2022-03-20

Tags

Sugerimos que você também leia estes